100nada

Becos com saídas também becos

Há merdas que me deixam doente. É isto. Merdas que me tiram do sério. Eu respiro, eu digo ahommms interiores, eu cravo as unhas nas mãos, eu desvalorizo, eu penso a minha vida não é isto, eu conto até sete mil quatrocentos e noventa e seis, eu peso se é mais uma merdicaca e valerá a pena e o meu tempo, eu faço o esforço todo e mais algum e depois rosno, ainda tento rosnar baixo mas não ouvem. Rosno alto, claro e se também não ouvem, a seguir é ladeira abaixo, a loiça toda a voar e na minha imaginação, já estava era a furar cérebros com tubos que eu agora vejo muito walking dead.
Admiro muito sinceramente pessoas que aguentam estoicamente toda a merda que lhes cai em cima. Provavelmente a grande parte nem nota, portanto não será estoicamente, mas vá, algumas sim. Sorrir e acenar está tudo muito bem, mas não serve. Uma pessoa sorri e acena e parece que está a enviar um convite para mais um camião cisterna que acabou de limpar umas dezenas de fossas e se desviou directo a nós. É certo que desatar ao pontapé ao camião também não adianta grande coisa, mas qual é a solução? Há, há sempre solução para quase tudo, mas temo que seja mais do mesmo. Manter o equilíbrio entre sorrir, acenar e rosnar. Talvez.

3 thoughts on “Becos com saídas também becos

  1. Sandra Noronha

    conheço quem tenha a capacidade de se abstrair por completo da merda que lhe cai em cima, como se tivesse um escudo deflector no qual ela cai e vai escorregando para o chão sem nunca tocar na pessoa que lá vai dentro.
    tenho *muita* inveja dessas pessoas.

    1. Sandra Noronha

      nem eu…. vou remoendo durante os dia e depois durante a noite durmo mal a sonhar com as tretas que me chateiam durante o dia… rinse and repeat. -.-

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *