100nada

Os pássaros do elefante

(deste elefante)

Até podiam ser outros, mas quero-os ali, na ilha do meu elefante, agora, para os conseguir ver. Não estiveram sempre ali, claro. Voaram, são pássaros sem problemas de comprimento de pista. Voaram e aterraram ali e ninguém deu por nada; chegaram a meio da noite quando o elefante dormia depois de ter completado os wus que se tinha proposto fazer e que estivesse acordado, teria sido a mesma coisa: talvez uma mancha contra as estrelas, vaga como um pedaço de nevoeiro que se levanta do mar. Mesmo eu, que sei que ali estão, tenho alguma dificuldade em distinguir-lhes as asas, já que são pássaros-camaleões-de-céu. Oh, primeiro pensei em pintá-los de uma cor qualquer, ficava mais bonito talvez, contra um céu de outra cor, assim à laia das caixas de cartão onde se guardam lenços brancos e risca cinzenta. Mas esta minha mania de querer à força pintar também com água do mar, como Alessandro Barricco, obriga-me a pintar os pássaros da cor do céu. Nem sequer é original, mas é assim que os quero, imóveis e silenciosos, em redor do elefante adormecido e já as cores a mudarem para cor de areia às escuras.

Não sei bem o que lhes fazer agora, já que me fintaram do meu quadro de voo contra o céu. É sempre assim, nunca sabemos e, quando o inesperado acontece, imobiliza-nos da mesma maneira que aos pássaros, completamente aparvalhados a olharem para um elefante voador numa ilha que nem pista decente tem, a fazerem contas a velocidades de arranque versus pesos. São pássaros, está-lhes nas penas toda a teoria e prática de engenharia aeronáutica e aquele aparelho de orelhas compridas e tromba não é, de todo, um objecto que possa ser considerado, assim à partida, como alado.

Temos pois aqui um impasse, digamos, literário. Autor e personagens imóveis, uns mais visíveis que outros. Só falta o elefante abrir os olhos e olhar para aqueles pedaços de céu ali ao lado na praia. É esta surpresa absoluta que nos tolhe, muitas vezes, a escrita. De repente, nenhum de nós, todos os desta história, entende exactamente o que se passa. É até provável que se nenhum de nós se lembre que ali chegou a voar. Por enquanto.
E é bem provável que eu termine esta história um dia destes. Quando o formigueiro da imobilidade se começar a fazer sentir. Quando este longo voo solitário terminar.

Quando a minha escrita abrir asas outra vez.

5 thoughts on “Os pássaros do elefante

  1. Pingback: Catarina Campos

    1. http://www./

      I’ve got to agree with you here. I have a hard time writing about topics that I can’t, atleast in some way, base in reality. In this way I think it’s better to have an intimate knowledge of a location, or more broadly a topic.

    2. munchener kredit bank ag frankfurt

      Beginning to love this junk e-mail from posting someones on the blogs… This blog seems as clear without… Do You wish to support me and express to all the method you are using when You’re fighting with the spamers? TX

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *